Centro de Arte Contemporânea W recebe crianças da ONG Casa das Mangueiras


Grupo de 40 crianças e jovens conhece o CAC W e suas exposições inaugurais, dos artistas Miguel Penha e da artista fundadora Weimar


O CAC W – Centro de Arte Contemporânea W, em Ribeirão Preto (SP), recebeu, em 15 de dezembro (sexta-feira), às 14h, cerca de 40 jovens e crianças, de 6 a 15 anos, da ONG Casa das Mangueiras. Na ocasião, os visitantes tiveram a oportunidade de conhecer o trabalho de Miguel Penha e Weimar, projetos que inauguraram a instituição.

De acordo com Yolanda Cipriano, uma das curadoras do CAC W, a importância de ativar o programa educativo da instituição com crianças da Casa das Mangueiras reforça a contribuição do espaço para a formação de público de artes visuais. “Weimar e eu fomos voluntárias durante muitos anos na ONG e criamos um profundo laço com as crianças de lá, pois ministramos oficinas de arte, de 2008 a 2014. Para elas é uma chance de conhecer e usufruir de um ponto de cultura da cidade. Por meio da experiência de ver uma exposição, reconhecer a arte como parte do mundo em que vivem”, explica.

Uma das curiosidades da visita é o contato com a obra O Baile, de Weimar. Os instrumentos musicais que compõem a instalação, composta por objetos e excertos de vídeos do Grande Baile de Gala realizado no centenário de Ribeirão Preto, foi realizada com objetos adquiridos no depósito de materiais recicláveis da Casa das Mangueiras. Interessada por processos de reciclagem da Casa das Mangueiras, a artista chama atenção para as marcas e memórias, desconhecidas, de cada objeto, que se juntam à edição de imagens de outro momento histórico da cidade. Gabriel, de 14 anos, disse à equipe do CAC W: Gostei do Baile. A artista mostra o que ficou esquecido no passado, o que não tem mais hoje.”

Por sua vez, a exposição Samaúma, de Miguel Penha, despertou interesse em grande parte dos visitantes, pela profusão de cores das paisagens da Chapada dos Guimarães, onde o artista reside. Um dos apreciadores, de 9 anos, xará do artista, comentou: “gostei da cor que ele escolheu para pintar o cipó.” Jonas, 10 anos, completou: “Dá para ver que ele gosta muito da natureza.”

A Casa das Mangueiras já participa de várias ações culturais, de lazer e capacitação, como artes circenses, teatro, informática, musicalização, violão, dança de rua, balé, capoeira entre outras. De acordo com a coordenadora da ONG, Maria De Lourdes Pereira da Silva, o contato com o CAC W é um modo para que os pequenos possam expressar suas emoções, sua história, cultura e valores, e os ajudem a encontrar seu ponto de equilíbrio. “Com esse tipo de atividade, é possível descobrir talentos e proporcionar um futuro melhor a esse talento. Outro fato importante para nós é termos peças em uma mostra de altíssimo nível, é gratificante e nos faz perceber que a arte é uma excelente ferramenta de transformação social”, finaliza.